Âncora [Poesia]

[Leia com o Aúdio da Poesia!]

Saturno se desprendeu do céu
e está me esmagando aqui no chão.
Eu mesma sou a âncora que me afunda em mar cruel.
Confiança quebrada por azeda e ácida traição.

Não fui mesmo só um troféu dentro da sua lancha?
Outras loiras, outras morenas, mas eu era a sua rainha.
Feito pirata me ameaçando com espada ando pela prancha.
Só resta o dente do tubarão para quem demais foi boazinha.

Sem dinheiro para outra garrafa de vinho
lavar a depressão que me arrasta para o poço.
Mãos demais enfiam minha cabeça com gesto mesquinho
nesse vaso sanitário que me afoga até o osso.

Por Gisele Portes

Deixe uma resposta